O CAMELO
O camelo é um mamífero roedor que habita as regiões desérticas de África, Arábia e Ásia Central.
Existem duas espécies de camelos: o dromedário ou camelo árabe, que tem uma só bossa, e o bactriano, mais comum na Ásia Central, que possui duas.
Durante muito tempo pensava-se que as bossas continham água, necessária às grandes travessias do deserto. Mas o que acontece é que os camelos, sempre que podem, comem em grandes quantidades, sobretudo alimentos ricos em líquidos como os cactos ou outros vegetais, de forma a criar reservas de gordura. Essa gordura é armazenada nas bossas e utilizada sempre que o animal não pode comer ou beber. Por isso ele é capaz de andar mais de 100 km num só dia sem se alimentar.
Adaptado à vida no deserto, o camelo desafia as areias, o vento, o sol e as altas temperaturas. A suave pelagem que o cobre permite uma certa refrigeração e impede que o Sol ou as areais batidas pelo vento possam ferir a sua pele. As patas largas e chatas suportam o seu peso na areia, impedindo que o animal se enterre, e as longas pestanas protegem os olhos das partículas que as tempestades levantam.
Os camelos que hoje conhecemos são quase todos domesticados. Utilizados como meio de transporte prestaram um grande serviço aos homens do passado que percorriam grandes distâncias ao longo do deserto. Desde que se domesticou o camelo e se inventou uma sela adequada - a RAHLA - os homens da Arábia Saudita e do Sara Ocidental começaram a dedicar-se ao comércio e ao banditismo. Os beduínos (árabes nómadas) puderam então dominar o deserto. Vagueando de oásis em oásis, comercializavam escravos negros, sal, perfume e tecidos. Na Idade Média a Ásia Central era atravessada por grandes caravanas com mais de cem camelos que traziam sedas e especiarias do Extremo Oriente, muito apreciadas na Europa. No deserto do Gobi ainda existem pequenos grupos de camelos bactrianos em estado selvagem. Suportam temperaturas elevadas ou muito baixas. No Inverno crescem-lhes pêlos enormes que podem mesmo chegar ao chão. No Verão a maior parte desse pêlo cai. São muito desconfiados e quando se sentem ameaçados fogem. Mas a velocidade máxima que conseguem atingir não ultrapassa os 16 km/hora.
A cria do camelo nasce ao fim de 370/440 dias de gestação.Nos primeiros momentos as suas pernas esguias cambaleiam muito! Tem o corpo coberto de uma lã macia e já se parece com os pais. Contudo ainda não tem bossas nem almofadas nas articulações das patas dianteiras. Como outros grandes animais corredores, o bebé pode levantar-se duas horas após o nascimento. Nos primeiros momentos as suas pernas esguias cambaleiam muito mas um dia ou dois depois já consegue correr. Por haver pouco que comer no deserto, depende exclusivamente do leite da mãe durante um ano. Dez dias depois de nascer já mede um metro de altura.
O pelo do dromedário pode ser branco-sujo, bege-claro ou castanho-escuro. Normalmente vive até aos 40 anos.
HABITAT: deserto da Arábia, Norte de África e Ásia Central.
PESO: 450 a 700 kg
COMPRIMENTO: 3 metros
ALTURA: 1,80 a 2 metros

(Texto: Centro Multimédia Porto Editora, extraído da obra em CD-ROM «ZOO VIRTUAL» cuja compra se aconselha vivamente)

Iniciando a marcha ao amanhecer

Clica aqui para ouvires a voz do camelo 

                                                                   (Voltar)

A RAHLA, a sela inventada pelos árabes para uso nos camelos
O camelo bactriano mais comum na Ásia Central
As longas pestanas protegem os olhos das partículas que as tempestades levantam
O dromedário ou camelo árabe
Os homens da Arábia Saudita
Uma caravana de camelos
Suportam temperaturas elevadas...
...ou muito baixas. Outra caravana na Ásia Central
Os Beduínos (árabes nómadas)
Refazendo o stock de água