(versão integral)

A SEREIA

Era uma vez uma sereia que pela primeira vez conseguiu fugir do palácio do pai.
Queria admirar as maravilhas da Terra.
Então subiu à superfície do mar e a primeira coisa que descobriu foi o céu.
Tinha tantas gaivotas! Tantas que ninguém, mas mesmo ninguém, as conseguia contar.

Ela foi nadando, nadando, até que viu um pelicano. Achou-o um pouco estranho, mas não se incomodou nada com isso.
Mais à frente viu golfinhos a saltarem, enquanto duas baleias os acompanhavam. 
A sereia achou tudo magnífico,  parecia que tinha uma grande amizade com a Terra, mas uma amizade de à muito tempo.
Pensou que era melhor ir andando, antes que o pai desse por falta dela, e assim o fez.
Na ida para casa viu muitos peixinhos de todas as cores junto a um coral. Nesse momento apercebeu-se de que o seu mundo também era bonito e de que tinha um grande amor por ele.
Mas que isso não a impediria de voltar mais vezes à Terra.

(Inês Micaela Albuquerque Gil – 10 anos – Vila Nova de Santo André)


Colori, colorado, está o conto acabado!


VOLTAR