(versão integral)


UMA CONVERSA INTERESSANTE

Às 6 e meia da manhã acorda Pirolito, o peixinho. Ele acorda com o vento a soprar e o Sol a nascer. Um dia Pirolito fica a brincar com as algas até tarde e, no dia seguinte acorda tarde e o sol, cansado de esperar, diz-lhe:
- Bom dia Pirolito! ( Suspiro) Graças a Deus o sono saiu de dentro de ti, não é?
- ( Bocejo) Lá isso é verdade. Sabes o que aconteceu?- interrogou o peixinho.
- Não, mas acho que tu me vais explicar. Por isso podes começar.- disse o raio de sol já com ar de quem queria mandar no peixe.- Vá lá começa.
- Está bem mas deixa-me afinar a voz, e não te armes em mandão. – disse Pirolito – Foi assim: como tu deves saber ontem houve greve de nos deitarmos cedo, então, eu fiquei a brincar com as algas andantes do meu aquário. Elas são muito simpáticas mas é pena falarem por gestos. Foi só eu começar a brincar um bocadinho com elas e depois nunca mais parei. Só quando bocejámos todos em conjunto é que nos apercebemos que já devíamos estar a dormir. Mas agora vamos esquecer isso e vamos brincar.- disse o peixinho.
- Tens toda a razão, vamos brincar! – exclamou o raio de sol.
- Eu conheço uma brincadei...- disse o peixinho tentando continuar mas não pode porque uma voz grave e alta interrompeu-o.
- Que estás a fazer com esse peixe? – perguntou essa tal voz grave e alta que vinha do sol.
- É o meu pai, o sol (voz baixa) sabes ele é muito resmungão.- afirmou o raio de sol para o peixinho -Pai ele é meu amigo, é o meu primeiro amigo, bem ... o meu segundo amigo. O pai é que é o primeiro amigo.
- Pirolito,- chamou o raio de sol- tens um lápis ou uma caneta?
- Tenho uma caneta, se quiseres, toma.- respondeu o peixinho.
- Oh, obrigado és muito simpático.- afirmou o raio de sol- Pai, escreva-me aqui o seu nome.
E o Sr. Sol escreveu o seu nome no raio de sol.
-Peixinho, tens uma tesoura?- perguntou o raio de sol.
- Eu... tenho, mas para quê?!- perguntou o peixinho admirado.
- Já vais ver.- respondeu o raio de sol- Pai corte-me para me separar de si, porque eu quero viver com o Pirolito.- pediu o raio de sol seguro do que dizia. E o sol, um pouco atrapalhado, lá se separou da sua filha.
- Pirolito, dá-me um nome se faz favor.- pediu o raio de sol.
- És menino ou menina?
- Sou menina.- respondeu o raio de sol.
- Amy fica giro para ti.- afirmou o Pirolito.
Amy ia ficando apaixonada por Pirolito e vice-versa. Uns meses mais tarde casaram-se sem padre nem nada, e chegaram a dar filhos luminosos, ou seja, com corpo de peixe e cor de um raio de sol.


Colori, colorado, está o conto acabado!


(História escrita por INÊS DE JESUS - Q4 – Q.E.S.- Queen Elisabeths' School)

VOLTAR