(versão integral)


A PRENDA

Há certo tempo atrás, na véspera do dia de Natal, um homem castigou a filha de três anos por desperdiçar um rolo de papel de presente dourado.
O dinheiro escasseava naqueles dias, razão pela qual o homem se enfureceu ao ver a menina envolvendo uma caixinha, com aquele caro papel dourado, e colocá-la depois debaixo da árvore de Natal.
Apesar de tudo, na manhã seguinte, a menina levou o presente ao pai dizendo:
- Isto é para si, paizinho!
Ele sentiu-se envergonhado da furiosa reacção da véspera, mas voltou a "explodir" quando viu que a caixa estava vazia.
- Então não sabes que quando se dá um presente a alguém se coloca SEMPRE alguma coisa dentro da caixa?
A criança olhou para cima, com os olhos marejados de lágrimas, e disse:
- Oh, Paizinho, não está vazia. Eu soprei milhões de beijos dentro da caixa. Todos para si!
O pai quase morreu de vergonha. Abraçou a filha e pediu-lhe perdão.


Diz-se que o homem guardou a caixa dourada ao lado da cama por anos e anos, e sempre que se sentia triste, chateado, deprimido, ele pegava na caixa e apanhava um dos beijos imaginários que a filha lá tinha colocado.


Colori, colorado, está o conto acabado!


(Esta história chegou ao SÓTÃO via Internet, desconhecendo-se o seu autor)

VOLTAR