(versão integral)


O CONSELHO DO MOCHO

Do cimo de um ramo
com ar sabedor
falava ao Leão
-rei dos animais-
o Mocho doutor: 

- Oiça o que lhe digo
Senhor Rei Leão:
Quer queira
quer não
há-de vir um dia
em que os animais
façam à porfia
uma revolução!

Não sacuda a juba.
Não diga que não.
Pois a quem agrada
ter um rei assim
sentado no trono?!

Brutal
comilão
que só pensa em si
em fazer festança
encher bem a pança
e dormir um sono?!

Depois
não se queixe
Vossa Magestade!
Eu estou a avisá-lo
com boa vontade!

Verá que hão-de vir
os fortes Bisontes
as pacatas Zebras
os Ursos ferozes
as Águias reais
Falcões e Serpentes
Lobos e Chacais.

As altas Girafas
serenas Gazelas
Veados
Raposas
Castores e Macacos
e outros bichos mais.

Verá que hão-de vir
e então...

Então
bem os há-de ouvir
gritar com razão:

- Abaixo o reinado
d'El-Rei Dom Leão!

- Abaixo o reinado
d'El-Rei Dom Leão!

Depois
bem...
Depois pouco mais.
Com prazer (aposto!)
há-de ser deposto
pelos animais.

E noite avançada
até o Grilinho
com chapéu de coco
cantará
já rouco
a cair de sono:


-Vencemos! Vencemos!
El-Rei Dom Leão
já não está no trono!

Vencemos! Vencemos!
Já só é Leão...
sem ceptro
e sem trono!

Deitarão foguetes
farão uma festa
e enfim
será livre
a nossa floresta!


Colori, colorado, está o conto acabado!


(Do belíssimo  livro "Um-Dó-Li-Tá" de Soledade Martinho Costa)

VOLTAR