(versão integral)


  O ORGULHO DA MENINA ESQUILO

Era uma vez uma linda esquilinha, muito orgulhosa. Este orgulho cresceu ainda mais quando ganhou um prémio na lotaria e construiu uma casinha branca. Certo dia um rato disse-lhe:
-Aceitavas casar comigo, Esquilinha?
Mas ela bateu-lhe com a porta no nariz e foi ao espelho enfeitar-se. Passado um bocado saía de casa para dar um passeio pela floresta, toda aperaltada.
-Esquilinha -chamou a Coelhinha Branca- podes ajudar-me a estender a roupa?
-Não quero sujar-me.
-Se quiseres, podemos dar um passeio juntas -disse a Tartaruga.
-És muito lenta -respondeu a Esquilinha orgulhosa.
Mais adiante, foi a rã a convidá-la:
- Queres entrar na minha casa?
-A tua casa é pobre demais para mim - respondeu a esquila.
Nesse momento, o Sol escureceu, começou a soprar um vento muito forte, e a chuva começou a cair com força implacável. A Raposa, que levava aberto o seu guarda-chuva vermelho, viu como este se revirava por causa do vento. A vaidosa menina Esquilo correu, então, para a sua casa, enquanto a Galinha se aconchegava, muito segura, na sua, e aconselhava aos pintos que se juntassem e não tivessem medo.
Depois da tempestade, chegou a calma. E o que é que foi feito da nossa menina esquilo, entretanto? Naquele momento ela estava, precisamente, a olhar, desolada, para os restos da sua casa, que tinha ido toda abaixo, destruída pelo furacão.
-Ai de mim! - gemeu a Esquilinha -Agora sou pobre.
E foi a casa do Ratinho pedir ajuda.
-O que é que queres aqui? -disse-lhe o Ratinho -Tu desprezaste-me; agora sou eu que não quero saber de ti.
Muito triste, a Esquila foi à procura da Coelhinha Branca.
-Esta manhã -disse-lhe a Coelhinha Branca -tu mostraste-te orgulhosa comigo e com os outros animaizinhos, todos teus vizinhos da floresta e, agora, recebeste o castigo!
A esquilinha começou a chorar.
-Eu fui má com todos vocês e, agora desprezam-me, e têm razão. Ai, que arrependida que eu estou!
- O que é que tens, esquilinha? -perguntou a Galinha, aparecendo naquele momento. -Anda lá, vem comigo à minha casa.
A Esquilazinha entrou na casa e viu que todos os animaizinhos estavam reunidos. Depois de ouvirem as desculpas da menina Esquilo, todos a perdoaram e prometeram ajudar a construir uma nova casa para ela.
E todos, muito contentes, celebraram com um grande banquete, para selar a nova amizade.
 


Colori, colorado, está o conto acabado!


(O orgulho desmedido e a vaidade exagerada são defeitos muito grandes)

VOLTAR